Técnica
Introdução História Equipamento Segurança Vento Técnica
Mareações Jogos De A a Z

1. INÍCIO

Para iniciar o praticante deve colocar-se em pé ao lado da prancha, com a vela caída na água para o lado oposto à direcção do vento.

Erros mais comuns: Não colocar a vela a barlavento

Para a aprendizagem do Windsurf é necessário identificar e realizar um conjunto de técnicas:
4. PREPARAR O ARRANQUE

Fase extremamente importante, pois permite que o praticante possa iniciar a navegação mais facilmente. Deverá manter os pés um de cada lado do pé-de-mastro e bem no centro da prancha para evitar que ele oscile. O praticante deverá manter o mastro vertical, agarrando-o. Em seguida deve inclinar o mastro para a direcção de onde vem o vento e deslocar ligeiramente oa pés para a popa. Esta inclinação e deslocação dos pés deverá ser tanto maior quanto mais intenso for o vento.

Erros mais comuns: Deixar o mastro inclinado para sotavento, obrigando a fazer muita força nas costas e permitindo que a retranca toque na água.

3. LEVANTAR A VELA

Nesta fase o praticante deverá manter o equilíbrio através do apoio dos seus pés na prancha e retirar a vela da água lentamente principalmente com o peso do seu corpo. Deverá manter os pés um de cada lado do pé-de-mastro e bem no centro da prancha para evitar que ela oscile.

Erros mais comuns: Fazer força com os braços; baixar o tronco; querer levantar a vela muito depressa; levantar a vela sem esperar que esta esteja orientada na direcção do vento

2. SUBIR PARA A PRANCHA

O praticante deverá subir com cuidado mantendo sempre as costas viradas para o vento

Erros mais comuns: Não manter as costas viradas para o vento

5. APANHAR O VENTO

Manobra que inicia a navegação. É uma manobra delicada pois envolve equilibrio e determinação na execução. O praticante terá de manter a prancha perpendicular ao vento e agarrar, com as mãos, a retranca. Uma mão deverá ficar perto do mastro (mão do mastro), a outra mais afastada (mão da retranca), deverá caçar a vela.

Erros mais comuns: Execução demasiado lenta, a prancha roda e "perde vento"; falta de determinação, o praticante não age sobre a vela e deixa-se ir.

6. REACÇÃO A UMA RAJADA OU QUANDO SE SENTE A VELA A FAZER MUITA FORÇA

Quando sentimos muita força na vela devemos largar apenas a mão da retranca (não largar a mão do mastro).

Erros mais comuns: Quando sente força na vela larga tudo e é obrigado a levantar a vela de novo; larga a mão do mastro em vez da mão da retranca.

7. ORÇAR

Se queremos aproximar a proa do vento (orçar) inclinamos a vela para a popa. Quando orçamos devemos caçar a vela, para a manter cheia.

Erros mais comuns: puxar a retranca para o peito pensando que que a está a inclinar para a popa; não compensar com um movimento dos pés o recuo da vela para a popa.

9. VIRAR POR DE-A-VANTE

O praticante navega numa direcção, quando pretende virar por de-a-vante inclina o mastro para a popa, para fazer a prancha orçar. À medida que a prancha vai rodando o praticante passa pela proa para o lado oposto até a prancha navegar em sentido contrário

Erros mais comuns: Não sabe de onde vem o vento e não consegue controlar a manobra; não acompanha o movimento da prancha e acaba por cair de costas, na água; pede o equilíbrio e deixa a vela tocar na água.

8. ARRIBAR

Se queremos afastar a proa do vento (arribar) inclinamos a vela para a proa. Quando arribamos devemos folgar a vela, para a manter cheia.

Erros mais comuns: Não mantém a vela caçada e não inclina avela para a proa pelo que não consegue executar a manobra; não desloca os pés na prancha o que provoca um arrastamento do praticante para fora da prancha; caçar demasiado a vela perdendo a sustentação do vento.

9. CAMBAR

O praticante navega numa direcção, quando pretende CAMBAR inclina o mastro para a proa, para fazer a prancha arribar. À medida que a prancha vai rodando, o praticante passa pela popa para o lado oposto, até a prancha navegar em sentido contrário.

Erros mais comuns: Começa o seu movimento de recuo na prancha sem ter imprimido uma rotação à mesma e acaba por cair para trás; não compensa a força do vento e é levado pela vela; perde a noção do vento e prolonga demasiado a manobra.