Equipamento
Introdução História Equipamento Segurança Vento Técnica
Mareações Jogos De A a Z

1. A PRANCHA DE WINDSURF

Podemos considerar a prancha de windsurf dividida em duas partes principais: o casco e o aparelho

A - O casco

O casco pode ser construído nos mais diversos materiais tais como as fibras plásticas, fibras de vidro, fibras de carbono, madeira, etc.

A PROA é a extremidade anterior do casco e destina-se a cortar a água.

A POPA é a extremidade posterior e destina-se a facilitar a saída da água cortada pela proa.

As AMURAS são as partes normalmente curvas, junto à proa de um lado e de outro da prancha.

O TRAVÉS é a parte perpendicular ao eixo longitudinal da prancha.

As ALHETAS são as partes curvas junto á popa.

A parte superior do casco (convés), deve ser plana e possuir um bom antiderrapante.

No convés podemos encontrar vários orifícios. Sensivelmente a meio existe um orifício rectangular, destinado a receber o patilhão - a caixa do patilhão.

O patilhão é um orgão fundamental em qualquer embarcação à vela, e tem como principal função, evitar o deslocamento lateral ao vento.

Um pouco à frente da caixa do patilhão, encontra-se um outro orifício, destinado a receber o aparelho, pelo pé de mastro - a carlinga do pé de mastro.

Inferiormente e perto da popa, encontra-se o fin ou estabilizador, que tal como o nome indica, estabiliza o rumo da prancha. O fin tem também como o patilhão a função de evitar o deslocamento lateral. A maior parte das pranchas modernas não tem patilhão, sendo o fin o único elemento a desempenhar as duas funções referidas.

B - O aparelho

O aparelho, conjunto da vela, mastro e retranca, deve ser leve e de tamanho adequado ao praticante e às condições atmosféricas. Um aparelho adequado facilita muito a aprendizagem.

Nas figuras seguintes podemos ver os nomes relativos aos vários elementos que contituem o aparelho.

2. EQUIPAMENTO DO PRATICANTE

O Equipamento permite prolongar com segurança a actividade. Devem ser respeitadas as regras básicas de segurança, usar um colete de flutuação e um fato ou colete isotérmico. A qualidade do material é determinante para o conforto do praticante e como consequência para o seu sucesso.

Deve ainda ser utilizado um calçado apropriado que permita proteger os pés e evitar que o praticante escorregue em cima da prancha.